quinta-feira, 31 de julho de 2014

Cântico negro de José Régio

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces Estendendo-me os braços, e seguros De que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem: "vem por aqui!" Eu olho-os com olhos lassos, (Há, nos olhos meus, ironias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... A minha glória é esta:
 Criar desumanidades! Não acompanhar ninguém. — Que eu vivo com o mesmo sem vontade Com que rasguei o ventre à minha mãe Não, não vou por aí! Só vou por onde Me levam meus próprios passos... Se ao que busco saber nenhum de vós responde Por que me repetis: "vem por aqui!"? Prefiro escorregar nos becos lamacentos, Redemoinhar aos ventos, Como farrapos, arrastar os pés sangrentos.
 A ir por aí... Se vim ao mundo, foi Só para desflorar florestas virgens, E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada! O mais que faço não vale nada. Como, pois, sereis vós Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem Para eu derrubar os meus obstáculos?... Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós
 E vós amais o que é fácil! Eu amo o Longe e a Miragem, Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

(José Régio) 

O Corvo

Meia-noite cava, quando, exausto, eu meditava Nuns estranhos, velhos livros de doutrinas ancestrais E já quase adormecia, percebi que alguém batia Num soar que mal se ouvia, leve e lento, em meus portais. Disse a mim: "É um visitante que ora bate em meus portais´- É só isto, e nada mais." Ah! tão claro que eu me lembro! Era um frio e atroz dezembro E as chamas no chão, morrendo, davam sombras fantasmais, E eu sonhava logo o alvor e pra acabar com a minha dor Lia em vão, lembrando o amor desta de dons angelicais A qual chamam Leonora as legiões angelicais, Mas que aqui não chamam mais. E um sussurro triste e langue nas cortinas cor de sangue Assustou-me com tremores nunca vistos tão reais, E ao meu peito que batia eu mesmo em pé me repetia: "É somente, em noite fria, um visitante aos meus portais Que, tardio, pede entrada assim batendo aos meus portais. É só isto, e nada mais. Neste instante a minha alma fez-se forte e ganhou calma E "Senhor" disse, ou "Senhora, perdoai se me aguardais, 
Que eu já ia adormecendo quando viestes cá batendo, Tão de leve assim fazendo, assim fazendo em meus portais Que eu pensei que não ouvira" - e abri bem largo os meus portais: -
 Treva intensa, e nada mais. Longamente a noite olhei e estarrecido me encontrei, E assustado, tive sonhos que ninguém sonhou iguais, Mas total era o deserto e ser nenhum havia perto Quando um nome, único e certo, sussurrei entre meus ais - 
 "Leonora" - esta palavra - e o eco a repôs entre meus ais. E isto é tudo, e nada mais.

(Edgar Allan Poe)

Poema Sujo de F. Gulllar

Turvo turvo a turva mão do sopro contra o muro escuro menos menos menos que escuro menos que mole e duro menos que fosso e muro: menos que furo escuro mais que escuro: claro como água? como pluma? claro mais que claro claro: coisa alguma e tudo (ou quase) um bicho que o universo fabrica e vem sonhando desde as entranhas azul era o gato azul era o galo azul o cavalo azul teu cu tua gengiva igual a tua bocetinha que parecia sorrir entre as folhas de banana entre os cheiros de flor e bosta de porco aberta como uma boca do corpo (não como a tua boca de palavras) como uma entrada para eu não sabia tu não sabias fazer girar a vida com seu montão de estrelas e oceano entrando-nos em ti bela bela mais que bela mas como era o nome dela? Não era Helena nem Vera nem Nara nem Gabriela nem Tereza nem Maria Seu nome seu nome era… Perdeu-se na carne fria perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia.

(Ferreira Gullar)

A Máquina do Mundo

E como eu palmilhasse vagamente uma estrada de Minas, pedregosa, e no fecho da tarde um sino rouco se misturasse ao som de meus sapatos que era pausado e seco; e aves pairassem no céu de chumbo, e suas formas pretas lentamente se fossem diluindo na escuridão maior, vinda dos montes e de meu próprio ser desenganado, a máquina do mundo se entreabriu para quem de a romper já se esquivava e só de o ter pensado se carpia. Abriu-se majestosa e circunspecta, sem emitir um som que fosse impuro nem um clarão maior que o tolerável pelas pupilas gastas na inspeção contínua e dolorosa do deserto, e pela mente exausta de mentar toda uma realidade que transcende a própria imagem sua debuxada no rosto do mistério, nos abismos. Abriu-se em calma pura, e convidando quantos sentidos e intuições restavam a quem de os ter usado os já perdera e nem desejaria recobrá-los, se em vão e para sempre repetimos os mesmos sem roteiro tristes périplos, convidando-os a todos, em coorte, a se aplicarem sobre o pasto inédito da natureza mítica das coisas.

 
Carlos Drummond de Andrade